terça-feira, 31 de março de 2009

Dean Sallie Moryarty no "Goiânia Canto de Ouro"

Espere o melhor...

Camila Leite "jogou"
dois vídeos do meu brother Fernando
(Simplista? Complexo? Dean? Cinquistrêla? Filho de Maria? Leigo?),
no Goiânia Canto de Ouro nesse último dia 20, aí no iurtubi:



Yes, I'm not there:



Espere o pior (grampola):


*******

"Confira
tudo que
respira
conspira"
(Paulo Leminski)


Então confira aqui:

www.myspace.com/fernandosimplista

*******

Parece que Fernandêra tá numa fase-folk (como podemos ver nas novas músicas apresentadas no Canto de Ouro).
Mas ele já fez muito samba, rock, música brasileira, etc e tal.
Um camaleão.
Ultimamente ele tá fazendo várias "colagens" em suas composições de uma forma bem interessante, como por exemplo:

"Será que eu vou virar bôlor?" (Arnaldo Baptista)
"É na esquina da falência que lhe pego pelo pé" (Raul Seixas)
"Pelos 4 cantos da cidade/ complexo de inferioridade" (do meu 69)


-procedimento tropicalista?
- cara ins-pirado!

:>)


Foto por: Murilo Ferraz


Foto por: Mari Magri

domingo, 29 de março de 2009

sexta-feira, 27 de março de 2009

Em síntese

Oi

Ksnirbaks postou um vídeo que tem eu (nervossíssímo!) tocando ´"Em síntese", no Goiânia Canto de Ouro, aí no iurtubi:



"Bjos na alma"!

:>)~

terça-feira, 24 de março de 2009

PROJETO NOVO SOM, com Diego de Moraes (voz e violão)


Vixi!
Esqueci de postar antes...
Então... quem puder me ajudar a divulgar aí,
ainda que esteja em ciminha da hora... agradeço.


Toco, voz e violão, nessa próxima quinta, na mesma rua do pikiras:


PROJETO NOVO SOM com Diego de Moraes

Quinta-feira, 26 de março às 21:00 hs.
Local: Bartô Restaurante e Bar.
Endereço: Rua 146, n. 125.
Setor Marista
couvert: R$ 5,00
Fone: 3226-3500

Fotos do Goiânia Canto Ouro, por Murilo Ferraz

Sempre deixando pra depois...
Depois posto aqui as fotos da semana passada...
dos shows e do banheiro do Goiânia Ouro...
Depois leio o "Badião" do Jorge Braga, que acabei de comprar...

Mas, enquanto isso, meu brother Murilo Ferraz já postou fotos do show de sexta (20/03) no blog dele:

link:

http://milisecs.blogspot.com/2009/03/shows-goiania-canto-de-ouro-200309_23.html


de longe



com Fernando "complexo"


com Octávio Scapin


com Ton só e José Teles


no instrumento musical que mais me deixa feliz

sexta-feira, 20 de março de 2009

Euzim no Projeto ObrandoArte

Ontem saiu matérias nos jornais "O Popular" e no "Diário da Manhã" sobre o Goiânia
Canto de Ouro
. Depois posto aqui.

Foi muito bacana tocar ontem!
Apareçam lá hoje e amanhã, por favor!
E levem os vizinhos, os tios, a sogra, o patrão, os amigos, os filhos e a amante!

***********

Ontem a tarde terminei de pintar o banheiro das mulheres no Ouro, tambem (fico devendo as fotos desses desenhos pra depois...).

Nossa! Ficar pintando dentro do banheiro feminino foi uma grande experiencia antropologica! rsrs

E, por causa da minha rabisqueira por lá, postaram o seguinte texto no site:

http://www.goianiaouro.com/obrandoarte_diego.html

Diego de Moraes no Projeto ObrandoArte

Diego de Moraes, além de cantor e compositor, também arrisca alguns rabiscos, de vez em quando. Esta semana expõe seu traço no "Projeto ObrandoArte – Arte no banheiro". Mestrando em História pela UFG, Diego trabalhou, enquanto chargista, no Jornal Impacto (de 1996 à 2000) e no Jornal Imprensa Livre (entre 2006 e 2007).

Publicou desenhos em vários fanzines e no livro “Histórias de Trabalho 2000”, lançado pela Unidade Editorial da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre. Um de seus cartuns foi publicado até na revista Mad, em 1998. Ainda em 1998 classificou-se em 1º lugar, na categoria Infanto-Juvenil, no IV Concurso de Histórias em Quadrinhos da Gibiteca Jorge Braga.

Diego de Moraes prepara com sua banda, O Sindicato, o disco “parte de nós”, para ser lançado ainda esse ano. E o artista também participa da nona semana do Festival Goiânia Canto de Ouro, nos dias 19, 20 e 21 de março.

terça-feira, 17 de março de 2009

Tô no Goiânia Canto de Ouro 2009 (essa semana) !

Esta semana tocarei na nona semana do Festival Goiânia Canto de Ouro, nos dias 19, 20 e 21 (quinta, sexta e sábado):



Neste elenco, além de mim, também tem os compositores:

Fernando Simplista


José Teles


Ton Só


Octávio Scapin




***********

Já falei aqui do Goiânia Canto de Ouro (que tive a felicidade de tocar no ano passado, ao lado do meu brother Fernando Simplista, do Pádua, do Lucas Faria e do grande Juraíldes da Cruz- ainda quero escrever com calma algo sobre a obra do Juraíldes...). E comentei sobre o dia que tocou o Gustavo Veiga e a Maíra, esse ano.

Poizé.

Semana passada, entre outras coisitas, também rabisquei uns trem lá nos banheiros do Goiânia Ouro no "Projeto ObrandoArte – Arte no banheiro" (meus desenhos devem ficar lá até dia 22/03). Depois que eu conseguir umas fotos eu posto por essas bandas aqui.


***********

Acabei de chegar do ensaio. Tô numa correria doida, viu?
Não esquece! Anote aí na agenda e leve toda a família...


***********

Dias 19, 20 e 21 - Ton Só, José Teles, Diego de Moraes, Octávio Scapin, Fernando Simplista.
Serviço:
Projeto: Goiânia Canto de Ouro (segunda edição)
Local: Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro
Endereço: Rua 3 esquina da Rua 9, Centro (antigo Cine Ouro, ao lado da Pizzaria Cento e Dez)
Horário dos shows: 21h
Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)
Telefones para informações: 3524-2540/2541/2542 ou 9977-0378 (Carlos Brandão)

sábado, 14 de março de 2009

"Um livro de poesia na gaveta não adianta nada"

Hoje é o "Dia da Poesia" - homenagem ao Castro Alves.

Recebi esta semana a notícia bacanérrima de uma turnê literária, iniciativa firmêza do Danislau do Porcas, TURNÊ PELE DO ASFALTO, que conta até com a participação do Chacal, expoente da poesia marginal dos anos 70:




como cantou o Sérgio Sampaio, outro marginal dos 70 (que novamente nos visita nesse espaço...):



Cada Lugar Na Sua Coisa

Composição: Sérgio Sampaio

Um livro de poesia na gaveta não adianta nada
Lugar de poesia é na calçada
Lugar de quadro é na exposição
Lugar de música é no rádio

Ator se vê no palco e na televisão
O peixe é no mar
Lugar de samba enredo é no asfalto
Lugar de samba enredo é no asfalto

Aonde vai o pé arrasta o salto,
Lugar de samba enredo é no asfato
Aonde a pé vai se gasta a sola
Lugar de samba enredo é na escola





************************************


E por falar no meu brother Danislau Também... leio um poema da pág. 43 de seu livro "O herói hesitante: autobiografia de um anônimo", que transcrevo aqui:




SOBRE O AMOR
PREENCHA AS LACUNAS



O bom de namorar é que quando vem o frio tem um pezinho pra esquentar o meu e meu pezinho tem um pezinho pra esquentar o dela.

Sobre namorar, o ruim é que quando quero ficar sozinho e ouvir um bom jazz no fone de ouvido o telefone toca. E o jazz, o fone, o fumo e eu temos que ficar pra depois.

Sobre ficar, eu penso que a nudez é uma questão de tempo. E que o corpo é uma questão de espaço.

Sobre o beijo, eu penso que são páginas e páginas para uma única palavra. Duas línguas: ora sim, ora não, ora não, ora sim, ora sim, ora são, ora sim-oração.

Sobre o amor, eu acredito que seja a ruína deliciosa de um homem.

Sobre a paixão, o ruim é que dá uma vontade danada de beber.

Sinto-me feliz quando o mundo me sorri.

Sinto-me triste quando quando se confunde com enquanto.

domingo, 8 de março de 2009

Pio Vargas


Hoje saiu uma matéria grandaça no Jornal Opção sobre Pio Vargas, chamada O des­per­tácu­lo de Pio Var­gas, escrita por Edival Lourenço, pois completa 18 anos da morte do poeta.
Já postei aqui como entrei em contato com a obra de Pio.

quinta-feira, 5 de março de 2009

Tanta coisa pra eu te falar...

Aguardamos o novo do Dylan...

Ficamos felizes com a melhoria do gênio Jupitêra , apresentada no Metrópolis (tv cultura)...

************************************************

E assisto, no iurtubi, 2 vídeos da gente no sábado passado, que o mano Adersêra (baixista do Sindicatêra), postou aí nesse mundo-virtual...

Tem um que tem a leitura do texto do meu pai (que falei no post aí atrás) e tocamos "Deus":






e no outro tem "Pelas barbas do profeta":





"Barbas", pra algumas pessoas, é "nova",
mas, na realidade, é "das antiga"
é de antes de antes,
antes da banda,
é de bem antes da primeira demo (voz-violão-tosquêra), de 2006
é de uma época em que eu escrevia e não anotava a data do parto...



"Pelas barbas do profeta
cada um que trace sua meta!"

terça-feira, 3 de março de 2009

"Memória morta" (por Carolina Tulim)


No show de sábado passado antes da última música (Deus) li o último texto de meu pai,
pois naquele dia comemoraríamos o aniversário dele,
caso ele estivesse entre nós...

Hoje recebo por email a notícia que minha amiga Carol escreveu um artigo, publicado ontem no site da Affego e, hoje, no site do Centro de Mídia independente, dedicado a mim.

O artigo é uma análise de um processo civilizatório em curso que pode acabar com a memória póstuma, segundo Carolina.

Colo o texto aqui, pois acho a reflexão digna e me emocionou profundamente:




Memória Morta
(por Carolina Tulim)


Domingos e seu filho, Diego.


Neste 28 de fevereiro, o comerciante Domingos Ribeiro Campos completaria 55 anos. Poucos lembrarão ou celebrarão a data, considerando-se que já se vão 13 anos desde a sua morte. Sua prole, porém, que conviveu e conheceu a fundo todos os seus erros e acertos, participou de suas conquistas e pôde partilhar de seu amor incondicional, nunca esquecerá. Cada ano de sua ausência terá o mesmo gosto acre do primeiro, mas guardarão consigo, individualmente e como tesouro, todos os vestígios que resultaram e ainda se mantém como prova viva desse forte laço afetuoso.

Só eles conheceram seu talento para as rimas poéticas, sua humildade em reconhecer erros, pedir desculpas e agradecer. Apenas seu miúdo círculo recordará suas peculiaridades e características no ano de seu centenário.

A individualidade do mundo chega ao auge da sua transparência na morte. Essa tese ganha força nas observâncias feitas em situações de dor e perda. Em determinada ocasião, enquanto esperava meu lanche num quiosque da Rua 10, resolvi, sabe-se lá por qual motivo, visitar a Catedral. Eu, que sempre me impressiono e assusto com esse fim que desconheço e não consigo explicar, saí o mais rápido que pude ao ver que se tratava de um velório. Nem cheguei a ver a cara do defunto ou das pessoas que o cercavam, tamanho o sobressalto, mas o que mais me chamou a atenção foi a atitude dos transeuntes daquela rua.

Nenhum deles, e me incluo aqui, fazia idéia do que realmente se passavam no interior daquele templo, da dor daquelas pessoas ou de que tipo de homem havia sido aquele. Algumas falavam distraidamente ao celular, outras esperavam condução. Mas não sabíamos, e nem fazíamos questão alguma de saber, quais foram as pessoas que ele mais amou, ou os percalços mais difíceis de sua vida. Essas são questões que ficaram ao encargo dos próprios amados, envolvidos nesse frágil e diminuto círculo.

Acontece que passamos agora por um processo civilizatório que está reduzindo e desqualificando as relações humanas e dificultando a formação destes círculos. As pessoas não estão mais tão abertas a compartilharem suas vidas e rotinas, desprezam o envolvimento emocional e estão ocupadas demais preocupando-se consigo mesmas para gastarem seu tempo desvendando o próximo. A impessoalização, motivada pelo aumento das cidades, dos níveis de criminalidade e violência e conseqüentemente de desconfiança, dificultou o acesso entre os indivíduos.

O resultado disso, a não tão longo prazo já que se trata de um processo em curso, será a banalização da morte, das ligações familiares, humanas e amorosas, desencadeando um isolamento massivo da população. E a possível ascensão de doenças comportamentais e sociais, além do fim da memória póstuma. Em outras palavras, estaremos fadados ao esquecimento.


Texto dedicado a Diego de Moraes, filho de Domingos Ribeiro Campos.
Email:: carolinatulim@gmail.com

segunda-feira, 2 de março de 2009

Clube da Leitura do Leo do Peixe


No último dia 25/02 Tom Zé postou no blog dele um texto com o título: "REDE DE LIVROS, PIRAPORA, LÉO DO PEIXE", que informa:

"na cidade de Pirapora, Minas Gerais, um feirante, Leonardo Diniz Filho, conhecido por todos como Léo do Peixe, mantém um círculo de leitura, que se põe em atividade assim que Léo termina o serviço na banca de peixe. Ele está precisando de alguns milhares de livros para que a circulação da biblioteca beneficie maior número de pessoas. Num país em que a leitura tem de ser cultivada como se fosse um criatório de peixes, de bichos, de plantas, com cuidados que tais, quem puder colaborar com Léo do Peixe e lhe mandar livros estará fazendo muito."


Tom Zé escreve que ficou encantado com a história de Léo, que poderia estar fazendo qualquer coisa com seu tempo mas escolheu o coletivo, escolheu a todos nós.

O endereço é Leonardo Diniz Filho (Léo do Peixe), Avenida Benjamin Constant, 1135, Pirapora, MG cep 392270-000.


Daí no dia 27/02/2009 o sr. Leo do Peixe responde nos comentários:


[leo do peixe] [clubedaleituraleodopeixe@hotmail.com]
Amigo Tom Zé, que felicidade nós do sertão das gerais, nestas barrancas do velho chico sentimos ao recebermos seus livros com a revista globo rural e uma matéria maravilhosa, incentivando as pessoas a entrarem neste projeto louco de formar leitores. Você proporcionou a este pescador uma das maiores alegrias, como se não bastasse ainda lança esta campanha doida com essa pessoas lindas da rede, acho que talvéz agora eu possa atingir os vinte e cinco pontos de leitura que prescisamos em nossa Pirapora. Em três anos de projeto, já temos 1500 leitores cadastrados e doze pontos de leitura espalhados pela cidade, só na feira são 1000 leitores, domingo de carnaval foram 40 leitores, que poderiam estar em vários outros locais, mas optaram por estar conosco. Amigo Tom Zé, obrigado por este apoio que é extremamente importante para todos nós, que o pai possa lhe retribuir. Outros Tom Zés existissem com certeza teriamos um país melhor. Abraço, leo do peixe.




Se outros Léos do Peixe existissem com certeza teríamos um país melhor...