terça-feira, 27 de dezembro de 2016

VIAGEM SONORA - De Raulzito à Raul Seixas! Quinta (29/12) na Suqueria!



Alô, pessoal!

Pra fechar o ano farei um show nessa quinta na Suqueria  do centrão de Goiânia!
O tema será "a metamorfose histórica ambulante de Raulzito à Raul Seixas" (assunto da monografia de Carlos Henrique Alves que orientei no curso de História esse ano na UEG Uruaçu)!



Evento no face:
https://www.facebook.com/diegomascate/photos/a.140306629424750.24795.140254219429991/1073021369486600/?type=3&theater



Release:



VIAGEM SONORA: De Raulzito à Raul Seixas com Diego Mascate!

Na próxima quinta (29/12) vai rolar na Suqueria do centro de Goiânia uma “viagem sonora” com o Diego Mascate, um dos pseudônimos artísticos do inquieto Diego de Moraes.  Esse espírito nômade dessa vez preparou um show passeando pelo repertório setentista do mestre Raul Seixas! O repertório abarcará desde sua fase inicial (como Raulzito e Os Panteras, registrada no LP de 1967) até pérolas que ele lançou assinando “Raul Seixas” (nome que passa a utilizar a partir de 1972, quando apareceu no Festival Internacional da Canção – FIC, quando se destacou com o “baioque” Let Me Sing).
Diego, além de multiartista, também é Doutorando em História Social pela UFRJ, onde pesquisa sobre a História da música popular brasileira. O tema desse show, inclusive, foi inspirado a partir de uma monografia que orientou esse ano na UEG de Uruaçu, do acadêmico Carlos Henrique Alves, sobre a “Metamorfose Ambulante Histórica” que se processou na trajetória de Raul na passagem da década de 1960 para os anos 70, quando se tornará o maior mito do rock brasileiro.
Nesse processo, é interessante destacar que antes do lançamento de seu début solo como “Raul Seixas” (o clássico “Krig-ha, Bandolo!”, em 1973) Raulzito marcou a indústria fonográfica brasileira enquanto produtor e compositor das gravadora CBS. Obras primas como o disco “Eu quero é botar meu bloco na rua” de Sérgio Sampaio, por exemplo, levam sua assinatura na produção musical. Vários sucessos do início da década de 1970 são composições suas, como “Doce, doce amor” (gravada por Jerry Adriani), “Tudo acabado” (por Odair José), entre outras. Mas o destino dessa história mudaria com o hoje lendário e anárquico álbum “Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10”...
Diego de Moraes é um viajante, um vendedor andarilho da cultura goiana que não pára e está sempre na fronteira atravessando caminhos entre o rock, a MPB e o teatro, levando suas “tralhas” e histórias, seja em projetos como a banda Pó de Ser, a dupla canábica Waldi e Redson; seja antes com o Diego e O Sindicato ou atualmente em sua carreira solo como Diego Mascate. Ele entendeu porque dizem que as quatro melhores coisas da vida são: “comer e viajar”! Então simbóra nessa viagem filosófica-musical! No reperório terá desde canções emblemáticas como “Medo da chuva” e “Gita”, até músicas do lado B como “Verdade sobre a nostalgia”.
Vamos embarcar nessa viagem sonora!!!!
Plunct Plact Zum!!!

Voz, violão e dieGUITA: Diego Mascate
Guitarra: Fernando Cipó.

SERVIÇO
Couvert: $ 10
Dobradinha de chope Colombina a noite toda!
Para quem chegar até as 20h ganha um chope!!!

Local: Empório Armário Brechó-Outlet
Rua 15, Qd. 49, Nº 357, Sala 1. Setor Central. Goiânia.  Fone: (62) 32419615
Data: dia 29/12 Sexta
Horário: 20 horas


Trechos do show no 1º Festival Confluências no Evoé:


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Pó de Ser é destaque no "Senhor F"!


Emocionado aqui com o texto do mestre Fernando Rosa sobre o disco "A dança da canção incerta" que estamos lançando com a Pó de Ser!
Leia no link: http://portal.senhorf.com.br/interna.php?P=999

Sem exceção, todas as canções crescem a cada audição, mostrando um compositor, cantor e, além disso, arranjador maduro, que passeia por diversos gêneros com criatividade e identidade. "A Dança da Canção Incerta" é um dos lançamentos mais importantes da nova música brasileira atual. Além do prazer da audição, mergulhar em seu universo musical e poético traz um alento de esperança diante da pobreza intelectual vigente. Não é de graça que o nome da banda surgiu quando Diego e Kleuber assistiam a um show de Hermeto Paschoal, para eles, e para nós, "um dos mestres do experimentalismo musical brasileiro". Um disco para quem quiser ouvir música brasileira moderna, com muitos clássicos do futuro. Salve Diego de Moraes e seu Pó de Ser que "correm todos os riscos" e  "vêem além do "breu das regras".

Baixe o disco aqui: http://www.bandapodeser.com/

Me lembrei que o primeiro texto sobre meu trabalho musical em mídia/nacional foi do Fernando Rosa, ao destacar o "Reticências" de 2007: http://www.senhorf.com.br/agencia/main.jsp?codTexto=4309

domingo, 14 de fevereiro de 2016

"Abutre da cultura" - Estréia no site "Casa de Vidro"!

Estréia da minha coluna "Abutre da Cultura" no site cultural "Casa de Vidro" do parceiro Eduardo Carli: http://acasadevidro.com/2016/02/13/abutre-da-cultura/

Também saiu uma matéria no DM sobre o show que participei em homenagem ao mestre Júpiter Maçã:



domingo, 7 de fevereiro de 2016

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Sobre o disco da Pó de Ser no site "A Casa de Vidro"!

Lindo post do parça Eduardo Carli no site A Casa de Vidro
sobre o disco "A dança da canção incerta" que estamos lançando com a Pó de Ser:
http://acasadevidro.com/2015/12/30/podeser/